,

,
VENHA DESFRUTAR DO QUE HÁ DE MELHOR EM LAZER DA SUA REGIÃO.

.

terça-feira, 16 de junho de 2015

MAIS DE 50 FAMÍLIAS ABANDONAM SUAS CASAS POR CAUSA DE GUERRA ENTRE FACÇÕES

Compartilhar no WhatsApp




Moradores estão saindo das residências após onda de violência que já causou 4 mortes nos últimos dias; comerciante foi assassinado na segunda
Moradores e comerciantes tirando móveis e pertences na Avenida Natal (Foto: Divulgação/Leitor de O Estado)
Moradores da Avenida Natal, na Vila Natal, que fica no bairro do Coroadinho, foram expulsos de suas casas por uma facção criminosa. A equipe de O Estado esteve no local no início da tarde desta terça-feira e presenciou vários caminhões retirando móveis e pertences das casas. Até comerciantes estão abandonando os pontos comerciais recolhendo equipamentos e mercadorias. A Polícia Militar está no local mas, segundo os próprios populares, apenas para fazer a segurança de quem está de mudança. Mais de 50 famílias estão se retirando do local.
Moradores, que não quiseram se identificar por causa de represálias, afirmaram que o medo tomou conta geral da população após um homem, que foi preso no fim de semana e solto logo no dia seguinte, ter assassinado um comerciante, na noite desta segunda-feira (15), afirmando que o mesmo teria lhe dado informações sobre seu paradeiro para a polícia. Populares afirmam que quatro pessoas já morreram no bairro nos últimos dias por causa da guerra entre facções rivais.
“É um absurdo, alguém tem que fazer alguma coisa. Nós estamos desesperados. O poder público tem que se manifestar. A violência está acabando com as nossas vidas. Não temos mais paz”, disse um morador que não quis revelar o nome.
Policial observa moradores fazendo mudança (Foto: Divulgação/Leitor O Estado )
No início da tarde desta terça-feira, uma mulher se atirou na frente de uma viatura da Polícia Militar para tentar evitar a saída dos policiais da rua. “Nós estamos com medo, se a polícia sair daqui eles vão nos matar”, disse.
Com a saída da maioria das pessoas das casas, apenas cinco residências ainda estão ocupadas.