PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

FRAUDE NO SEGURO DPVAT TEM PARTICIPAÇÃO DE MÉDICOS, ADVOGADOS E SERVIDORES

Compartilhar no WhatsApp


De acordo com informações, de 30 laudos do IML, liberados para análise, 80% apontaram indícios de fraude.Um médico foi preso preventivamente

 

A Polícia Civil, por meio da Comissão de Investigação de Fraudes em Seguro DPVAT (CIDPVAT), Superintendência de Combate a Corrupção (SECOR), Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), e SHC, deflagrou na manhã desta quarta feira, a Operação Asclépio que tem como objetivo investigar fraudes na emissão de laudos no Instituto Médico Legal (IML) de São Luís. As irregularidades serviriam para ajuizamento de ações para recebimento do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT), além de crimes de corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica e material.
Nessa primeira fase, pelo menos três médicos são investigados. Contra o médico Iomar Ferreira Santos foi cumprido um mandado de prisão preventiva. Hugo Djalma Costa Segundo teve decretado o afastamento judicial do cargo, estando proibido de exercer suas funções de médico legista.
Houve ainda o cumprimento de 3 mandados de busca e apreensão nas residências dos médicos investigados.
As investigações continuam e abrangem todo estado do Maranhão. O delegado Marcio Dominici, que preside a investigação por meio da Comissão de Investigação de Fraudes em Seguro DPVAT, apontou que a quadrilha atua com a participação de profissionais de diversas áreas para operar o esquema. "Trata-se de uma verdadeira organização criminosa com ramificações em todo estado do Maranhão, onde além de servidores públicos, são investigados também advogados e pessoas que trabalham à caça de supostas vítimas de acidentes de trânsito, os chamados despachantes".
Ainda de acordo com Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA), o Instituto Médico Legal (IML) liberou 30 laudos para serem analisados. Destes, 80% apontaram indícios de fraude.
Inicialmente será concluída a primeira etapa do inquérito e depois mais laudos serão analisados.
Contra os suspeitos, podem ser atribuídos os crimes de falsidade ideológica, falsidade material, falsa perícia, apropriação indébita. Dependendo da condenação, o médico pode perder o registro profissional.
A operação levou o nome de ‘Asclépio’ que vem do grego ou ‘Esculápio’ que origina do latim: Deus da medicina e da cura, tão habilidoso nas artes médicas que ganhou a reputação de ter trazido pacientes do mundo dos mortos, em virtude disso foi punido e colocado nos céus como a constelação de ofiúco. Do oimparcial