GOVERNO DO MARANHÃO

GOVERNO DO MARANHÃO

.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

POLÍCIA CIVIL PRENDE EM ENTRONCAMENTO, ACUSADA COM A POSSE DE 10 KG DE ENTORPECENTES

 Fotos: Nilson Figueiredo
Em ação inibidora contra o tráfico de entorpecentes, a Polícia Civil do Maranhão por meio da Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (SENARC) apresentou na manhã desta quinta-feira (25), por volta das 11hs, a acusada Maria de Fátima Andrade, 35 anos. Ela foi presa na noite desta quarta-feira (24), ao ser flagrada de posse com 10 kg de entorpecentes. A droga adveio da cidade de Davinopolis / GO, com destino para a cidade de São Luís.
Durante a apresentação coordenada pelo Superintendente adjunto da SENARC, o delegado Valdenor Viegas, ressaltou que a sua prisão se deu quando a mesma estava retornando do município de Imperatriz com a droga. O delegado Valdenor Viegas ponderou, que a sua prisão adveio de uma denúncia anônima a qual denunciava Maria de Fátima Andrade.
As informações eram que a acusada estava saindo de um ônibus em direção ao município de Vargem Grande. Ela foi flagrada nas proximidades do município de Itapecuru/MA, ao descer com os entorpecentes.
O delegado Valdenor Viegas disse ainda acerca da prisão da acusada, que “Maria de Fátima Andrade, estava saindo da cidade de Imperatriz em um coletivo urbano, o qual faz linha da cidade de Davinopolis/GO, para a cidade de São Luís. Ela teria descido do ônibus, no trecho conhecido como “Entroncamento”, nas proximidades de Itapecuru-Mirim/MA. Os entorpecentes estavam acondicionados em uma mochila, em 08 tabletes, totalizando cerca de 10kg de maconha prensada.
Após descer do coletivo, Maria de Fátima Andrade iria se dirigir até o município de Vargem Grande/MA, onde seria distribuída a maconha prensada. Ao descer do ônibus em Entroncamento, fora surpreendida pela nossa equipe.
Após a prisão, Maria de Fátima Andrade foi encaminhada até a sede da SENARC, onde fora apresentada à imprensa e depois autuada pelo crime de tráfico de entorpecente, onde permanecerá à disposição da Justiça. Mauro Wagner – ASCOM/SSP