PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

quinta-feira, 30 de abril de 2015

ASSASSINO DE ESCRIVÃ LOANE MARANHÃO FOI CONDENADO A 72 ANOS DE PRISÃO.

Compartilhar no WhatsApp


A juíza titular da 5ª Vara da Comarca de Caxias, Marcela Santana Lobo, condenou o réu Francisco Alves Costa a uma pena de 72 anos, dois meses e vinte dias de reclusão pelo estupro de duas filhas. Francisco também foi responsável pelo assassinato da escrivã piauiense Loane Maranhão da Silva Thé, crime ocorrido enquanto a jovem trabalhava na Delegacia de Caxias, em 15 de maio de 2014.

 

Francisco trabalhava como gari na Prefeitura de Caxias e estava sendo ouvido na delegacia acusado de abusar sexualmente de suas duas filhas, todas menores de idade. Loane teria ido coletar o depoimento do acusado quando ele pegou uma faca que estava em cima de uma mesa, resultado de apreensões, e esfaqueou a escrivã.

Ao ouvir os gritos de Loane, outra investigadora entrou na sala e também acabou sendo esfaqueada pelo homem. A escrivã não resistiu aos ferimentos e morreu em um hospital local. O suspeito foi preso próximo ao Terminal Rodoviário da cidade.

A decisão da juíza refere-se apenas aos abusos que Francisco cometeu contra as filhas, que teriam ocorrido de outubro de 2005 e se estendido até maio de 2014, pouco antes da prisão em flagrante do acusado.

“Foi acolhida a tese da continuidade delitiva, para cada vítima, e em concurso material, em relação às duas vítimas”, explica a juíza.

Segundo a magistrada, durante a ação penal vítimas e testemunhas, todas familiares do acusado, confirmaram os abusos, bem como o lapso temporal. A juíza ressalta ainda que laudos emitidos pelo setor psicossocial e provas periciais dão suporte à condenação.

Atualmente Francisco Alves Costa está preso e o processo referente a morte da escrivã ainda corre na justiça.
Blog do Paulo Sousas