.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

CÂMARA DE BACABAL CONTINUA COM APENAS UM PRESIDENTE: IRMÃO LEAL.



A Câmara Municipal de Bacabal reuniu na sexta-feira (3) para realizar a eleição da Mesa Diretora. A sessão foi aberta e encerrada sem que os vereadores chegassem a um acordo para iniciar a votação. O resultado é que o vereador Irmão Leal continua como o presidente interino, conforme sentença proferida pelo juiz Marcelo Moreira (releia)

O ponto polêmico do episódio foi a posse do vereador Joãozinho do Algodãozinho. Na solenidade de posse, no dia 1º de janeiro, o vereador não foi empossado porque não apresentou o diploma eleitoral. O grupo do Senador João Alberto, ao qual Joãozinho se aliou depois de eleito e com o qual é mantido enclausurado em São Luis há alguns dias, apresentou duas versões sobre o caso.

Primeiro foi dito que Joãozinho teria entregue o diploma na Câmara dias antes da posse e de lá o documento teria sumido.

A segunda versão foi apresentada na Justiça, quando foi impetrada ação para decidir quem era o legítimo presidente da Câmara. Na petição inicial, a nova versão é a de que o diploma de Joãozinho foi entregue por ele no ato de posse e o vereador Maninho teria dado sumiço no documento.


Presidente interino publiciou edital com normas para a eleição
Para a eleição de ontem (3) o presidente interino Irmão Leal publicou edital com as regras específicas, inclusive determinando o horário das 17 horas para que os vereadores não empossados (João Garcez Maninho e Joãozinho do Algodãozinho) fossem empossados. Segundo o presidente interino Irmão Leal, somente o vereador Maninho compareceu.

Sob o argumento de que Joãozinho do Algodãozinho não teria cumprido a regra do edital, o presidente interino se recusou a dar posse ao mesmo. A recusa gerou debates civilizados e outros nem tanto, como mostra o vídeo do vereador Reginaldo do Posto. Os vereadores do grupo do deputado Roberto Costa se recusaram a assinar o livro de presença e se retiraram do plenário.

O resultado da celeuma é que o presidente interino encerrou a sessão, convocando uma nova reunião para a segunda-feira (6)
Espere, você ainda não viu tudo...

Da mesma forma como agiram no dia primeiro de janeiro, o grupo de vereadores que apoia o ex-candidato a prefeito Roberto Costa e o senador João Alberto, retornou para o plenário, após encerrada a sessão, deram posse ao vereador Joãozinho do Algodãozinho e realizaram uma votação entre eles que resultou na eleição do vereador Evan Brandão como presidente.

Grande aparato policial e observadores da Justiça


Um esquema arrojado de segurança foi montado pela Polícia Militar e Guarda Municipal. Ruas que dão acesso à Câmara foram interditadas e o acesso ao prédio foi restringido. Todo o episódio foi acompanhado por Oficiais de Justiça designados pelo juiz Marcelo Moreira como observadores. Hoje quem continua como presidente é o vereador Irmão Leal, legitimado pela decisão do juiz Marcelo Moreira e porque durante a sessão oficial os vereadores não chegaram sequer a realizar alguma votação. 


Se a Justiça vier a entender de forma diferente, isso é outro assunto.Blog do Louremar