terça-feira, 25 de janeiro de 2022

BACABALENSE “BESOURO PAGODINHO” É PRESO EM SÃO PAULO.

 


Os vídeos eram gravados em São Paulo e publicados nos grupos de WhatsApp.

 

O que para muitos era algo engraçado, para os que eram desrespeitados, xingados, insultados e difamado, era muito frustrante.

 

Foram vários vídeos gravados desrespeitosos, homofóbicos, racistas, dentre outros insultos e nomes pejorativos, muitos deles pagos. Com a certeza da impunidade e o pior estar morando longe fazia com que “Besouro Pagodinho”, continuasse com suas injúrias, calúnias e difamações aos maranhenses.

 

No entanto, ninguém registrou ocorrência ou entrou com ação na justiça contra ele. A Delegada, Lúcia Juliane, sendo da cidade de Zé Doca, se sentindo difamada com palavras racistas e de injúria entrou na justiça com o pedido de prisão preventiva em desfavor de José da Silva Frazão Neto, que se intitula como “Besouro Pagodinho”, o pedido foi concedido pela Justiça. A prisão dele se deu na noite de segunda-feira (24), na cidade de São Paulo, capital, em uma operação da Polícia Civil do Estado do Maranhão, com apoio da PCSP.

 

A notícia saiu em primeira mão no programa Brasil Urgente/Band, apresentado por Luís Datena. Assista ao vídeo.


A investigação se iniciou com ameaças, desacato e injúrias proferidas pelo autor contra policiais lotados na delegacia regional de Zé Doca.

 

Além disso, a equipe investigativa também tomou conhecimento que o investigado havia proferido discurso racista e homofóbico, visto que afirmou que se candidataria a deputado federal para dividir o estado do Maranhão e no novo estado “seriam expulsos os gays, lésbicas e os pretos”.

Sendo assim, iniciou-se uma investigação para apurar os crimes de injúria, desacato, ameaça e racismo.

 

Após vasto elemento probatório, a delegacia regional de Zé Doca representou pela prisão preventiva do autor, deferida e cumprida no ontem.

 

O bacabalense José da Silva Frazão Neto, morador da Rua 28 de julho, que se intitula como “Besouro Pagodinho”, encontra-se preso a disposição da Justiça e a qualquer momento pode ser recambiado para o Maranhão.

 

Lúcia Juliane acredita que agora com a prisão dele mais (pessoa) compareçam às delegacias do estado para prestar queixas, e assim a ficha criminal dele cresça ainda mais.

 

Que isso sirva de lição para muitos que pensa que a justiça não possa alcançá-los!