,

,
VENHA DESFRUTAR DO QUE HÁ DE MELHOR EM LAZER DA SUA REGIÃO.

.

quinta-feira, 10 de março de 2016

RENAN JÁ DISCUTE COM O PSDB A SAÍDA DE DILMA





Visto no Palácio do Planalto como o principal aliado do governo no Congresso, o presidente do Senado, Renan Calheiros, admitiu pela primeira vez participar de articulação política para encontrar uma saída constitucional que interrompa o mandato de Dilma Rousseff. Fez isso num jantar com o Aécio Neves e outros seis senadores do PSDB. O encontro ocorreu na residência do tucano Tasso Jereissati. Terminou no início da madrugada desta quinta-feira.
Pela manhã, Renan estivera com Lula. À tarde, conversara com Dilma. À noite, foi recepcionado na casa de Tasso com ironias sobre sua disposição para o diálogo. E Renan, entrando no clima: “Pois é, estive com o Lula e a Dilma. No final, estou aqui, onde me sinto mais em casa.” Estava acompanhado de outros dois caciques do PMDB no Senado: o líder da bancada Eunício Oliveira e Romero Jucá. Pelo PSDB, além de Aécio e do anfitrião Tasso, participaram do repasto o líder Cássio Cunha Lima, José Serra, Aloysio Nunes Ferreira, Antonio Anastasia e Ricardo Ferraço.
Os tucanos disseram a Renan que não enxergam saídas para a crise com a permanência de Dilma na Presidência. Mencionaram uma obviedade: sem o PMDB, o pedido de impeachment não tem chance de prosperar. E perguntaram francamente ao presidente do Senado se ele cogita manter o apoio a Dilma.
De acordo com o relato de dois senadores que participaram da conversa, Renan concordou de maneira muito clara com a tese segundo a qual Dilma, isolada e sem esboçar capacidade de reação, já não reúne condições políticas para debelar a crise que deu um tombo de 3,8% no PIB de 2015 e deve produzir uma recessão próxima dos 4% também em 2016. Eunício e Jucá ecoaram o mesmo entendimento.
Embora houvesse entre os presentes uma aparente maioria a favor do impeachment como fórmula menos traumática para afastar Dilma, a reunião não foi conclusiva quanto ao caminho a ser seguido. Nem era essa a pretensão do tucanato ao organizar o jantar.
O objetivo era obter de Renan uma posição sobre a inviabilidade do governo Dilma. Admitida a premissa, novas conversas serão marcadas, incluindo outros interlocutores. Entre eles, lideranças da Câmara, a Casa legislativa que tem poderes para autorizar a abertura do processo de impedimento de Dilma.
Segundo relatou aos tucanos, Renan repassou a Lula e Dilma sua avaliação sobre a precariedade do governo. Disse a ambos que a gestão Dilma sofre uma espécie de apagão de comunicação. Não se comunica com o Congresso, com os empresários e com a sociedade. Por necessidade, mantém um diálogo frágil apenas com os movimentos sociais.
Durante o jantar, o alagoano Renan revelou um dado que diz ter retirado de pesquisa de opinião que mandou fazer na capital de Alagoas, Maceió. Dilma aparece na sondagem com uma taxa de 61% de péssimo. “Não é ruim e péssimo, é apenas péssimo”, Renan fez questão de enfatizar.
Se não for fogo de palha, a migração de Renan deixa Dilma em apuros. A presidente contava com a solidariedade do presidente do Senado para barrar eventual processo de impeachment aprovado na Câmara. Contava com ele também para se contrapor, dentro do PMDB, à ala que prega explicitamente a aprovação do impeachment. Em direção oposta, Renan vem estreitando sua inimizade com o vice-presiente Michel Temer, beneficiário direto de um eventual afastamento de Dilma.
Havia entre os presentes uma noção de que a causa do impeachment avançará mais facilmente quanto maior for o ronco que as ruas emitirão no domingo. Do uol