PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

quinta-feira, 21 de abril de 2016

ASSISTA: MORADORES DE BACABAL AFETADOS COM A FALTA D’ÁGUA SAÍRAM ÀS RUAS COBRANDO PROVIDÊNCIAS PARA O FIM DO DESABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE.

Compartilhar no WhatsApp



Concentrados na Praça do Bom Pastor, área central de Bacabal, centenas de pessoas que hoje sofrem com a falta d’água decidiram cobrar providências do poder público municipal e da direção do Serviço Autônomo de Águas e Esgotos de Bacabal (SAAE), para que o problema que hoje atinge quase 100% dos bacabalenses seja resolvido.

A realidade no município é a seguinte; falta água na zona rural e também na área urbana da cidade e, o problema não é de hoje, exemplos da péssima gestão do SAAE, são visíveis em quase todos os bairros de Bacabal, poços desativados, outros que foram perfurados e que nunca funcionaram, é o caso daquele do bairro Cohab.

A deterioração da rede de distribuição de água no município de Bacabal há tempos vem sendo denunciada, o problema é que nunca o poder público municipal e nem a direção do Serviço Autônomo de Águas e Esgotos de Bacabal tomaram providências para se anteciparem aos problemas eminentes da autarquia. 



A falta de água nas torneiras gerou protestos e indignação em milhares de consumidores que ficaram a mercê da boa vontade de São Pedro, pois água em Bacabal nos últimos meses em algumas áreas, era somente da chuva. Com a pane no sistema de capacitação da Curva do Anu, todo o centro da cidade ficou sem água, lojas tiveram prejuízos, escolas tiveram aulas interrompidas e a vida do bacabalense virou um terror. Sem resposta por parte da prefeitura e do SAAE, centenas de pessoas foram às ruas utilizando baldes, panelas entre outros recipientes que seriam utilizados para carregar ou armazenar água, mas como esse bem tão necessário a todos nós virou artigo para poucos, o jeito mesmo foi utilizar as vasilhas para protestar.





A caminhada teve como percurso as principais ruas do centro, com passagem pelo SAAE, depois os manifestantes foram rumo a câmara de vereadores, onde o grito cadê a água ecoou mais alto.




Diante da manifestação o diretor da autarquia Leonardo Lacerda até tentou minimizar o problema dizendo que tudo em pouco tempo seria normalizado, pois esforços para concertar as bombas danificadas estavam sendo feitos, ele só esqueceu que, o povo de Bacabal está cansado de ouvir história da carochinha.

Reportagens: