PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

OPERAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL DESTRÓI 42 MIL PÉS DE MACONHA

Compartilhar no WhatsApp


A plantação foi descoberta em mata fechada e de difícil acesso. Três suspeitos estão presos e todo o cultivo foi incinerado

Investigação da Polícia Civil no município de Zé Doca conseguiu desarticular quadrilha especializada no tráfico de maconha. Três homens foram presos suspeitos de integrar o bando que abastecia a região. Com eles, a polícia apreendeu a droga prensada e chegou a uma plantação com aproximadamente 42 mil pés de maconha, que logo foi incinerada. “Com essas prisões vamos diminuir consideravelmente os registros de tráfico dessa droga na região. Mas, as investigações prosseguem porque temos indícios de muito mais plantações naquela localidade”, pontuou o titular da Regional de Zé Doca, delegado Henrique Mesquita da Silva.
Para chegar aos pés de maconha, a equipe de policiamento precisou adentrar uma extensão de mata fechada típica de floresta Amazônica e de difícil acesso, em uma área de aproximadamente 100 hectares. A plantação foi encontrada na área que integra a cidade de Boa Vista do Gurupi. Os indícios da grande plantação foram descobertos após a apreensão de três quilos da droga com dois dos suspeitos e que também seriam os responsáveis pelo cultivo. A plantação foi imediatamente incinerada pela polícia, em cumprimento ao que determina o artigo 50-A da lei 11.343/2006. A norma instituiu o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (Sisnad) e orienta sobre medidas de prevenção do uso indevido, de repressão ao tráfico e dos crimes pertinentes.
A operação de combate ao tráfico de drogas na região prossegue com o retorno das equipes à área onde foi descoberto os 42 mil pés de maconha. Segundo o delegado Henrique Mesquita, há várias outras plantações semelhantes e até maiores que a destruída. “Estamos falando de uma extensa área de mata e que com este trabalho investigativo profundo pretendemos chegar a mais áreas de cultivo”, disse o delegado. As áreas de reserva indígenas também seriam alvo da ação desta quadrilha, segundo o delegado. A equipe da regional vem desenvolvendo ação paralela também nas áreas de reserva, em complemento ao trabalho da Polícia Federal.
A plantação foi descoberta em mata fechada e de difícil acesso. Três suspeitos estão presos e todo o cultivo foi incinerado
A plantação foi descoberta em mata fechada e de difícil acesso. Três suspeitos estão presos e todo o cultivo foi incinerado
Na operação foram detidos Joelson Gomes da Silva, conhecido como Bebê; Josivaldo Rodrigues da Costa, o Cocada e João Batista Machado, apelidado de João Chupadinha – estes dois últimos são apontados como os donos da plantação de maconha. Os três permanecem presos e à disposição da investigação que vai apurar ainda há quanto tempo a quadrilha agia e quanto movimentaram em valores com o comércio da droga. “Esperamos com estas prisões chegar a outros envolvidos e localizar mais plantações da droga”, pontuou o delegado.
Combate ao tráfico
Henrique Mesquita ressalta que o trabalho de combate ao tráfico de drogas é intenso e tem tido resultados positivos na desarticulação destas quadrilhas. Entre abril e maio, após três meses de investigação, a equipe prendeu conhecido traficante na região de Santa Inês, apelidado de Fidel. Com ele foi apreendido três quilos crack e dois quilos de pasta base. “Esse é conhecido por ser o distribuidor desta droga em pelo menos cinco áreas da região e responsável por movimentar altas cifras com o tráfico. Com ele fora de circulação quebramos o serviço de outras quadrilhas naquela localidade”, ressaltou o delegado.

Sandra Viana / Ascom SSP