,

,
VENHA DESFRUTAR DO QUE HÁ DE MELHOR EM LAZER DA SUA REGIÃO.

.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

MAIS DE 5 TONELADAS DE DROGAS FORAM RETIRADAS DAS RUAS NO MARANHÃO EM 2016


No período de janeiro à segunda semana de dezembro de 2016 a apreensão de drogas realizada pelas polícias Civil e Militar no Maranhão foi de 5,6 toneladas. O total corresponde ao somatório de crack, cocaína e maconha retirados de circulação em todo o estado, o valor é mais que o dobro do que era retirado das ruas em 2014, quando foram apreendidas 2,4 toneladas dos mesmos entorpecentes.
“Este crescimento significa que a investigação especializada e os esforços realizados pelo Governo do Maranhão para combater o crime organizado têm dado resultados. Com essas apreensões o tráfico tem suas forças diminuídas, uma vez que o recurso resultante da venda dessa droga é que financia as práticas criminosas e a compra de armas de fogo pelas facções que ao longo dos últimos anos tinham se instalado aqui no estado”, explicou o delegado Geral de Polícia Civil, Lawrence Pereira.
Redução de poderio das facções que pode ser contabilizado em valores monetários. De acordo com a estimativa da Superintendência Estadual de Combate ao Narcotráfico (Senarc), a avaliação das drogas apreendidas até agora ultrapassa os R$ 10 milhões. Além disso, mais de 220 pessoas foram, e mais de 40 armas apreendidas, entre elas metralhadoras, fuzis e outras de grosso calibre.
Sobre as drogas, apenas em 2016 foram 3,8 toneladas de maconha, 523 kg de crack e 52 kg de cocaína. Para se ter ideia do crescimento no total de apreensões, em 2014 eram apreendidos2,3 toneladas de maconha; 98 kg de crack e 57 kg de cocaína.

Especialização
As operações para apreensões de drogas têm sido realizadas pela Polícia Militar e pelas Superintendências Estadual de Investigações Criminais (SEIC) e de Combate ao Narcotráfico (Senarc), essa última criada especialmente para o combate desses crimes.
“Pode-se dizer que a criação da Senarc na gestão do governador Flávio Dino é um marco. Só a apreensão de crack, por exemplo, cresceu 300%. E isso é possível porque esse tipo de crime passou a ser tratado da maneira correta, temos uma superintendência, com Departamento de Capital e Interior e policiais e estrutura voltadas especificamente para identificação de rotas e busca dos grandes distribuidores, o que faz a diferença nessa quantidade de apreensões”, explicou o delegado Carlos Alessandro, titular da Senarc.
Ainda de acordo com o delegado, a quantidade de apreensões tem impactos diretos na configuração de outros índices de criminalidade, como o CVLI (Crimes Violentos Letais e Intencionais) e o de homicídios que já apresentam mais de 20% de redução no comparativo entre 2016 e 2014.
“Esse dinheiro (R$ 10 milhões) que retiramos dessas quadrilhas, além das prisões que são feitas, desestruturam o crime organizado. Eles não podem se equipar, comprar novas armas, carros e principalmente cooptar novas pessoas, especialmente os adolescentes que são atraídos pelas promessas de dinheiro”, explicou o delegado.


Denúncias
Carlos Alessandro também destaca o aumento da participação popular nas apreensões com o uso do Disque-Denúncia e também do número utilizado pela Senarc no aplicativo WhatsApp, (98) 9.9163-4899.
Na última terça-feira, 13, por exemplo, a polícia apreendeu 80kg de maconha e prendeu três pessoas em um ponto de distribuição de drogas que funcionava no bairro do São Cristóvão, na Avenida Santos Dumont. A denúncia veio de populares, por meio do WhastApp. “As pessoas veem que dá resultado e por isso elas denunciam mais”, comentou o delegado.
Além das intensificações das operações, para 2017 a Senarc planeja realizar o trabalho de prevenção em parceria com a Polícia Militar em bairros e escolas da capital e interior do estado. “Já temos o uso dos cães farejadores que acabaram de chegar, continuamos usando a inteligência para o mapeamento das rotas do tráfico e vamos atuar mais diretamente com a Polícia Militar em escolas para evitar que jovens e adolescentes não apenas consumam como também se tornem elementos desse tráfico”, informou Carlos Alessandro